Divulgado pela Teen Vogue, Shailene Woodley (Tris, de Divergente) estampará a capa da próxima edição da revista. Confira a capa e parte da matéria:

            (Tradução: Divergente Brasil)

  Nós nos esquecemos frequentemente da importância de sermos sérios. Para uma jovem atriz de Hollywood, é certamente uma qualidade bem rara. Há franca e estridente – à la Jennifer Lawrence – e nós amamos ela por isso – mas pregando seus princípios e segurando firme neles são coisas muito diferentes. Shailene Woodley é claramente uma raridade: uma jovem de 22 anos cuja paixão não é infundida em atrevimento. É cheia de amor hippie, pelos seus amigos, seus filmes, pela natureza, George Clooney… Ela definitivamente não é o tipo que grita em uma sala, e é o conteúdo do que ela diz, não o volume, que a faz única. Ela é a rebelde de Hollywood, como dissemos na capa. Mas não uma rebelde deliberada.
 Nós estamos sentando atrás da sala de Akasha, uma cafeteria na cidade de Culfer, na Califórnia, tomando café da manhã. Shailene, brilhantemente livre de maquiagens e Californiamente casual em uma casaco cinza inclassificável e touca, acabou de ver Divergente pela primeira vez. Um conto distópico sobre um mundo onde as pessoas são divididas em facções de acordo com suas personalidades, o filme é baseado no best seller de Veronica Roth. É a primeira vez que uma trilogia é chamada de ‘o próximo Jogos Vorazes’, um apelido que causou em muitos outros filmes – Dezesseis Luas, Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos, Ender’s Game – à falhar sob o peso de tanta expectativa. Mas esse está preparando-se para ser épico. Nele, Shailene estrela – junto com Kate Winslet, Zöe Kravitz, Miles Teller, Ansel Elgort, and Theo James – Beatrice “Tris” Prior, uma heroína com grande força de vontade que, como a atriz, não se encaixa em nenhuma categoria pré-definida.
 Mesmo ela tendo visto apenas uma versão não-finalizada do filme, Shailene parece impressionada. “Foi muito selvagem,” ela diz, descontraidamente puxando sua gola e revelando a imagem esvanecente dos três corvos em sua clavícula – a tatuagem de Tris em Divergente – uma cortesia de refilmagens recentes. “Fazer um filme de ação é completamente diferente de fazer um baseado na realidade. É muito mais difícil atuar com telas verdes do que com outro ser humano. Tem tanto efeito especial neste filme, então foi incrível ver no que tudo isso se transformou.”
Apesar de Divergente ter sido a coisa mais desafiante que ela já fez, a atriz não tem arrependimentos – embora tendo recusado o papel inicialmente. “Eu disse não, e todo mundo se chocou,” ela revela. Então ela pediu conselhos à Katniss: “Eu perguntei à Jennifer Lawrence, ‘Você está feliz com a escolha que fez de aceitar o papel para Jogos Vorazes?’ E ela disse que não iria atrás para mudar o que fez. Ela me contou, ‘Tem algumas coisas -não faça cenas de sexo, não use drogas, não faça coisas em público- que você não deve fazer se não quiser ver os outros te julgando. Mas essa é a melhor decisão que você poderia fazer.” Desse momento à diante, Shailene chegou ao local correndo, literalmente; o treinamento foi brutal, e o elenco trabalhou 16 horas por dia em uma temperatura de 20 graus.
Divergente, dirigido por Neil Burguer, é um grande lançamento para Shailene, que cresceu em Simi Valley, California, como a filha de uma orientadora escolar e de um diretor e esteve atuando desde os 5 anos de idade. Depois de fazer incontáveis comerciais, ela foi escalada no elenco da série da ABC Family A Vida Secreta de Uma Adolescente Americana, um grande sucesso durante suas 5 temporadas. Mas, de repente, ela se tornou bem conhecida – até agora, pelo menos – pelo seu prêmio de Filme Independente – premiada pelo papel da mal-humorada filha de George Clooney no melhor filme indie de 2011 Os Descendentes, dirigido por Alexander Payne.
“Depois de Os Descendentes, todo mundo estava tipo, ‘Você tem que dirigir a onda!’ E eu estava tipo, ‘Você dirige a onde e ela, às vezes, se impacta na costeira. Isso não funcionaria! Vou apenar sentar aqui e remar,’” ela diz, rindo. “Eu não fiz filme algum por 2 anos porque eu não li nada que era inspirador para mim.” Aparentemente a espera valeu a pena. Ao decorrer do ano, Shailene vai ter estrelado em quatro novos filmes (poderia ter sido cinco, mas sua parte como Mary Jane em O Espetacular Homem-Aranha 2 foi retirada do filme). O filme “The Spectacular Now” lançou ano passado; 2014 trás o drama indie White Bird in a Blizzard da Sundance, nesse mês chega Divergente, e em Junho ‘A Culpa é das Estrelas’, o muito-esperado filme da adaptação do romance de partir o coração de John Green. Um tema similar corre por todos essas filmes: amor. De fato, cada um dos projetos desde Os Descendentes são sobre relações. “Isso é louco! Eu nunca pensei sobre isso.” Shailene admite. “Eu não tive tempo para pensar em relacionamentos! Eu literalmente não tive um namorado por 5 anos. Eu nem me relacionei com ninguém com quem eu estava trabalhando em um filme.” Mas e sobre as envolturas depois do filme? Ela ri. “Bem, isso pode ter acontecido, ou algo…”

















Deixe um comentário