De Agatha Christie,
Globo.
 

 Confesso que nunca havia lido um romance policial na minha vida e não pretendia ler. No entanto, para a felicidade da criança que voz fala, ganhamos um kit de livros na escola -para fazermos trabalhos sobre eles-, e 'O Assassinato de Roger Ackroyd' é um deles. No começo, achei que não fosse ser interessante, mas me enganei -e feio.
  O livro começa com Dr. Sheppard narrando o fato inicial, ou seja, a morte da Senhora Ferrars, uma aparente mulher de bem. No entanto, o fato principal é -obviamente-, a morte de Roger Ackroyd, assassinado a sangue frio. Curiosamente, Roger foi esfaqueado logo após receber e ler uma carta de sua amante, Senhora Ferrars, que acabara cometendo suicídio por causa de chantagem. 
  A fim de realmente saber quem é o assassino, o detetive belga Hércule Poirot , aposentado e vizinho de Sheppard em  Kings Abbot, é chamado para o caso. E assim começam as buscas.
 Escrito em 1926, O Assassinato de Roger Ackroyd é um daqueles livros que você começa a ler e não consegue mais parar. A cada capítulo um novo suspeito é adicionado à lista, que se renova a cada minuto. As suspeitas estão todas sobre 'fulano de tal' e, de uma hora para outra, pulam para 'beltrano de tal'. É eletrizante. Você não consegue desgrudar das páginas. Recomendo à todos.

Postado por: Flávia Bergamin
  


Deixe um comentário